MISSÕES

Veja os piores países para os cristãos. Cristãos perseguidos, e se fosse você?

MISSÕES MISSÕES

E-BOOK - PR. MÁRCIO VALADÃO

Leia gratuitamente os livros do pastor Márcio Valadão. CLIQUE AQUI!

E-BOOK - PR. MÁRCIO VALADÃO E-BOOK - PR. MÁRCIO VALADÃO

PAPÉIS DE PAREDE

Baixe papéis de parede personalizados e deixe seu computador a sua cara. CLIQUE AQUI!

PAPÉIS DE PAREDE PAPÉIS DE PAREDE

FOTOS PROFÉTICAS

Uma galeria com fotos exclusicas, você tem que conferir. CLIQUE AQUI!

FOTOS PROFÉTICAS FOTOS PROFÉTICAS

TV GERAÇÃO PROFÉTICA

Os melhores vídeos você só encontra aqui. CLIQUE AQUI!

TV GERAÇÃO PROFÉTICA TV GERAÇÃO PROFÉTICA

A HISTÓRIA DE ESTER

Acompanhe aqui a minissérie de maior sucesso na tv brasileira. CLIQUE AQUI!

A HISTÓRIA DE ESTER A HISTÓRIA DE ESTER

CAMPANHA DA BANDEIRA

CLIQUE AQUI para saber mais

CAMPANHA DA BANDEIRA CAMPANHA DA BANDEIRA

ESPAÇO INFANTIL

Um mundo de emoções e aventura espera por você. CLIQUE AQUI!

ESPAÇO INFANTIL ESPAÇO INFANTIL

MINISTRAÇÕES BÍBLICAS

A cada semana DEUS tem uma mensagem exclusiva para VOCÊ. CLIQUE AQUI!

MINISTRAÇÕES BÍBLICAS MINISTRAÇÕES BÍBLICAS

SEÇÃO DOWNLOAD

Criado exclusivamente para você. CLIQUE AQUI e veja!

SEÇÃO DOWNLOAD SEÇÃO DOWNLOAD
-

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

BRASIL! PAÍS SEM POBREZA EM 2016?


Se os avanços econômicos e sociais obtidos nos últimos cinco anos se mantiverem, o Brasil pode erradicar a pobreza extrema em 2016, segundo estudo realizado pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) -fundação ligada à Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República.

Entre 2003 e 2008, o país experimentou o seu mais rápido ritmo de redução da carência. A chamada pobreza extrema, categoria na qual se enquadram indivíduos que ganham até um quarto de salário mínimo por mês (atualmente, R$ 127,50), caiu 2,1% ao ano, enquanto a pobreza absoluta, que engloba pessoas que recebem até meio salário mínimo (R$ 255), recuou a uma taxa de 3,1% ao ano. A desigualdade de renda diminuiu 0,7% ao ano.

Nesse passo, pelas estimativas do Ipea, a parcela da população considerada miserável -na qual ainda há quem morra de fome- passaria dos 10,5% observados em 2008 para praticamente zero. A faixa dos bastante necessitados diminuiria de 28,8% para 4%. "São índices comparáveis aos das nações ricas, que já resolveram esse problema na primeira metade do século passado", disse Marcio Pochmann, presidente do instituto de pesquisa.

No entanto, ponderam analistas, é arriscado imaginar que os progressos e as condições favoráveis vividos recentemente pelo Brasil vão se repetir com a mesma intensidade daqui para a frente. "As condições que propiciaram esse forte desenvolvimento foram excepcionais, não dá para assegurar que se reproduzirão", afirma Samir Cury, professor da FGV (Fundação Getulio Vargas) e especialista em desigualdade.

Entre tais fatores, destacam-se o crescimento econômico, a estabilidade monetária e as políticas públicas, tanto as realizações nas áreas de saúde e educação quanto os programas assistenciais de distribuição de renda. Mas já não existe uma massa tão grande de pobres que precisem do apoio do Bolsa Família, por exemplo, para que a concessão do benefício produza, sobre a diminuição da carestia, um efeito semelhante ao que teve até o ano passado, de acordo com os especialistas.

Nem a elevação do PIB (Produto Interno Bruto) é garantia de melhora para os que se encontram na base da pirâmide social, já que a geração de riqueza é distribuída desproporcionalmente, o que o mesmo levantamento do Ipea indica. "É mais fácil combater a pobreza do que a desigualdade", disse Pochmann.

Na sua gestão, o instituto afastou economistas considerados não alinhados com as ideias do governo e mudou de foco, passando a se dedicar mais a pesquisas de planejamento de médio e longo prazo. 


Ações

Para acelerar a eliminação da pobreza e o estreitamento do abismo social, Pochmann defende a coordenação de políticas entre a administração federal, os Estados e municípios e a reforma tributária. "Quem mais reclama no país é quem é menos atingido: a camada mais alta, que sabe o que está desembolsando porque paga impostos sobre propriedade, como o de veículos e o de imóveis", comentou. Considerando as taxas que incidem sobre produtos consumidos, as famílias com rendimento de até dois salários mínimos comprometem 48,9% do orçamento com tributos.

Fonte: Folha de São Paulo

0 comentários:

Related Posts with Thumbnails

VÍDEO DA SEMANA